A Portela

terça-feira, 29 de setembro de 2009

Reflexão


Infelizmente, quando não impera o bom senso, assiste-se a tristes situações que em nada dignificam a imagem e as gentes desta freguesia.
Foi com este panorama que os nossos emigrantes e seus convidados, alguns de outros países, foram brindados quando se deslocaram ao largo da igreja. Pelo que se ouve há um azedar da relações entre instituições e o resultado está á vista de todos, o que é vergonhoso.
É preciso bom senso e separar o trigo do joio, para que isto não se repita.

domingo, 13 de setembro de 2009

Se não os podes vencer....

A nossa história, infelizmente está cheia de actos de cobardia, são muitos os que ficaram gravados nos livros de história, mas muitos mais são os que caem no esquecimento e vão fazendo parte do nosso dia-adia.
É intolerável quando alguém que tanto defedeu um projecto, uma filosofia, uma opinião, chega o momento de o colocar em prática é corronpido pelos que têm poder, pela mesquinhice de determinadas pessoas que só pensam nelas próprias, esquecendo os problemas e pretensões da restante comunidade. Olham para o seu umbigo e o resto que vá para aquele sítio que todos nós sabemos. É triste defendermos o que é mais justo e em determinado momento só porque temos alguma vantagem, esquecemos os outros, as nossas covicções, para tirar algum proveito. Se as coisas estavam mal, piores vão continuar porque a voz dos que discórdam vai desfalecendo e a ganância vai ganhando força, aos olhos dos que vão lutando exaustivamente.
Para concluir consultei a minha encicolpédia e enconteri este provérbio popular, que tanto sentido faz neste momento, "senão os podes vencer junta-te a eles".

sábado, 5 de setembro de 2009

A Carranca



Património: Fonte da Carranca, (a que está ligada a crença em auspicioso casamento para todos os jovens que, em noite de S. João, afagarem três vezes a estranha figura que a ornamenta).
Reza a lenda, que certo dia um jovem, que o já não era, tanto afagou, tanto afagou a dita, que casou com a junta de freguesia e nunca mais a largou. Deste grande enlaçe têm nascido muitos filhos, pobres e ignorantes mas muitos, como no, não muito distante tempo de Salazar.

terça-feira, 1 de setembro de 2009

Pouca vergonha


Se passar pela estrada 308 vai passar numa freguesia chamada Portela das Cabras, outrora freguesia de renome, de gentes orgulhosas da sua terra, onde as pessoas respiravam alegria, cantavam, dançavam nas suas bonitas ruas e bebiam ao som do toque mágico das concertinas nas suas famosas tascas.
Hoje se estiver de passagem e por acaso estiver atento à placa de entrada ( assim se apercebe onde está) o cenário é completamente diferente, porque a sensação é que estamos num local de 3º mundo onde o lixo espalhado pelas ruas aliado aos cães vadios dá-nos a impressão que não estamos na união europeia. Outrora freguesia jardim, das bonitas mulheres (e cuidado a fama atravessava fronteiras) do povo orgulhoso evaporou-se no nevoeiro como D. Sebastião na batalha de Alcácer Quibir.

Hino Portela das Cabras

AI, ai, somos da Portela, somos da Portela
Filhos da pobreza (bis) (refrão)
A nossa união é nossa maior riqueza
A nossa união é nossa maior riqueza

Estamos aqui com orgulho com muito orgulho
E animação
Trouxe-mos a esta festa todo o nosso coração
Trouxe-mos a esta festa todo o nosso coração

Se a festa foi pobrezinha, muito pobrezinha
Desculpai tambem
Fizemos todo o esforço p´ra ela correr bem
Fizemos todo o esforço p´ra ela correr bem

Ai, ai cheios de saudades, cheios de saudades
Vamos-vos deixar
Mas por causa das saudades, nós prometemos voltar
Mas por causa das saudades, nós prometemos voltar

Portela das Cabras

Portela das Cabras é uma freguesia portuguesa do concelho de Vila Verde, com 2,34 km² de área e 256 habitantes (2001). Densidade: 109,4 hab/km².

A palavra portela significa "depressão entre cumes de montanhas", "passagem estreita entre montes" ou simplesmente "passagem".

Se esses locais viessem a ser povoados, a povoação recebia também o nome de Portela. De facto e em relação a esta localidade, isso facilmente se pode constatar, já que existem dois montes (o Monte de Cima a nascente e o Monte de Baixo a poente) e a respectiva passagem existente entre eles (E. N. 308).

Portela das Cabras, também conhecida por Portela de Penela, foi sede de um concelho e de comarca que teve como donatários os Castros, senhores de Albergaria, e, mais tarde, a Casa de Bragança. Teve foral dado por D. Afonso III, em Santarém e nele se dá a esta freguesia o nome de Portela dos Leitões.

Foi, até 1855, sede do extinto concelho de Penela do Minho, do qual faziam parte as freguesias de Vilar das Almas, Arcozelo, Goães, Godinhaços, Marrancos, Pedregais, Portela, Rio Mau, Escariz (São Martinho) e Escariz (São Mamede). Após as reformas administrativas do início do liberalismo foram-lhe anexadas as freguesias de Anais, Azões e Duas Igrejas, do extinto concelho de Albergaria de Penela, e o couto de Moure. Tinha, em 1849, 7 950 habitantes e 60 km². Foi sem dúvida alguma, um importante concelho, quer a nível agrícola quer comercial.

Por ali passava a antiga XIX via Militar Romana que ligava Braga a Lugo. Troços desta antiga via estão ainda, ora a servir de velhos caminhos, ora inseridos em troços de estrada. Boa parte segue, da estrada Nacional, para a ponte de Goães. Facilmente se compreende porque motivo, esta Freguesia teve nomes associados ao nome principal, (nomes de animais), visto ser um importante ponto de paragem e por conseguinte de comércio nesta importante via Romana. Como a freguesia se encontra do declive de duas montanhas, a pastorícia e o comércio eram as principais fontes de rendimento, disponibilizando, Tascas e Albergues aos viajantes, daí se compreende a grande importância que teve esta Freguesia.

Portela das Cabras pertence aos Vales do Neiva e do Cávado, funcionando como marco lateral da bacia hidrográfica.

Em 1855, passou a pertencer, como freguesia, ao concelho de Vila Verde. (infelizmente)